Bichectomia

A face apresenta uma anatomia complexa. Entre suas múltiplas e delicadas estruturas, há diversos compartimentos de gordura, que funcionam como coxins de proteção. Entre estes compartimentos, existe um que se estende quase que ao longo de toda a superfície lateral do rosto, em plano profundo, desde a têmpora até próximo à mandíbula, recebendo o nome de Bola ou Bolsa de Bichat (em homenagem ao anatomista francês que primeiro o descreveu). Na região do “oco” da cavidade oral (região das bochechas) é onde apresenta maior espessura, podendo, quando em grande volume, dar aspecto mais arredondado ao rosto (com importante componente genético).

O que é? 

Bichectomia é o nome dado à retirada cirúrgica de parte desse compartimento de gordura, visando modificar/afinar o contorno facial.

É indicado para mim? 

A indicação ou não do procedimento depende de avaliação presencial. A princípio, homens e mulheres poderiam se beneficiar, estando desaconselhado para pacientes abaixo dos 16-18 anos ou fora do peso ideal.

Como é realizada? 

Como o compartimento de gordura a ser alcançado encontra-se em plano profundo (abaixo de estruturas nobres da região facial), o acesso através de pequena incisão na cavidade oral facilita sua identificação e manipulação, minimizando riscos.

Os riscos são os comuns a qualquer procedimento cirúrgico (sangramento, infecção), além dos relacionados às peculiaridades locais. A região de acesso na cavidade oral fica próxima ao óstio do ducto parotídeo (por onde a saliva, secretada pela glândula parótida, chega à boca) e a ramos bucais do nervo facial (responsáveis pela movimentação de parte da musculatura da boca), o que poderia favorecer lesão inadvertida destas estruturas. Outro ponto importante, em se tratando de cavidade oral, são os cuidados relativos à proteção da via aérea, vulnerável a líquidos ou fragmentos que porventura viessem a se deslocar posteriormente na boca, particularmente em pacientes com nível de consciência rebaixado (sob efeito de anestésicos). Daí a importância de o procedimento ser realizado por profissionais capacitados e em ambiente adequado.

Quanto tempo leva? 

Varia na dependência da experiência do cirurgião, tipo de anestesia utilizada, intercorrências. No geral, costuma ser um procedimento rápido.

Qual o tempo de recuperação? 

A dor não costuma ser importante. Edema e roxos podem durar de alguns dias a poucas semanas, variando caso a caso.

Se a pessoa engorda, pode voltar? 

Com o aumento da gordura corporal, poderá haver mudança do contorno facial por acúmulo em outras regiões suscetíveis a alterações de volume, mas dificilmente por recidiva da porção retirada da Bola de Bichat.

Qual o preço? 

O preço depende de honorários do cirurgião e equipe, internação hospitalar, materiais, sendo, portanto, bastante variável. O Código de Ética Médica veda esse tipo de divulgação. Vale o alerta: capacitação e infra-estrutura envolvem custos; desconfie de preços surpreendentemente baixos.

Cirurgia de Pálpebras

O que é a cirurgia das pálpebras? 

Também conhecida como blefaroplastia, a cirurgia de pálpebra melhora a aparência das pálpebras superiores, das pálpebras inferiores, ou de ambas. A cirurgia proporciona aparência rejuvenescida na área ao redor dos olhos, fazendo com que o olhar pareça mais descansado e alerta.

Condições tratáveis 

• A cirurgia da pálpebra superior remove o excesso de depósito de gordura que aparece como inchaço nas pálpebras superiores;
• Pele frouxa ou flacidez que cria dobras ou incomoda o contorno natural da pálpebra superior, às vezes, prejudicando a visão, e pode ser tratada com cirurgia de pálpebra superior;
• A blefaroplastia da pálpebra inferior remove o excesso de pele e rugas finas na pálpebra inferior;
• Bolsas sob os olhos podem ser corrigidas por blefaroplastia;
• A cirurgia de pálpebra inferior pode corrigir queda das pálpebras inferiores.

A cirurgia é indicada para mim? 

A blefaroplastia é geralmente realizada em homens e mulheres adultos que têm tecido facial e músculos saudáveis, com metas realistas sobre a cirurgia.

Bons candidatos à cirurgia são:

• Indivíduos saudáveis sem patologia que possa prejudicar a cicatrização ou aumentar o risco da cirurgia;
• Não fumantes;
• Indivíduos com perspectiva positiva e expectativas realistas sobre a cirurgia;
• Indivíduos sem condições oculares graves.

Informe ao seu médico seus problemas de saúde.

• Doenças nos olhos tais como glaucoma, olho seco ou descolamento de retina;
• Distúrbios da tireóide, tal como a disfunção de Graves, e hipo ou hipertireoidismo;
• Doenças cardiovasculares, pressão alta ou demais problemas circulatórios ou diabetes.

O que esperar da consulta sobre cirurgia de pálpebras?

O sucesso e a segurança do procedimento cirúrgico dependem de sua sinceridade durante a consulta. Você será questionado sobre sua saúde, desejos e estilo de vida.

Esteja preparado para discutir.

• A razão pela qual quer se submeter à cirurgia, suas expectativas e o resultado desejado;
• Condições médicas, alergias medicamentosas anteriores e tratamentos médicos prévios;
• Uso atual de medicamentos, vitaminas, medicamentos naturais, fumo, álcool e drogas;
• Cirurgias prévias.

O cirurgião também poderá:

• Avaliar seu estado geral de saúde e todas as condições pré-existentes de saúde ou fatores de risco;
• Tirar fotos para seu prontuário médico;
• Discutir suas opções e recomendar um tratamento;
• Discutir prováveis resultados da cirurgia e quaisquer riscos ou complicações potenciais.

Preparando-se para a cirurgia.

Previamente à cirurgia, pode ser necessário:

• Fazer exames de laboratório ou avaliação médica;
• Tomar certos medicamentos ou ajustar seus medicamentos atuais;
• Parar de fumar bem antes da cirurgia;
• Evitar tomar aspirina, antiinflamatórios e medicamentos naturais, pois podem aumentar o sangramento.

Instruções especiais.

• O que fazer na noite anterior e na manhã da cirurgia (tempo de jejum, medicamentos, banho);
• O uso de anestesia durante o procedimento;
• Cuidados pós-operatórios.

Você vai precisar de ajuda.

Não deixe de pedir a alguém que o acompanhe e fique com você, pelo menos, a primeira noite, após a cirurgia.

Etapas do procedimento: 

O que acontece durante a cirurgia?

Etapa 1 – Anestesia

Medicamentos são administrados para o seu conforto durante o procedimento cirúrgico. As opções incluem sedação intravenosa ou anestesia geral. Seu médico irá recomendar a melhor opção para você.

Etapa 2 – Incisão

As linhas de incisão da cirurgia de pálpebra são planejadas para deixar as cicatrizes bem escondidas dentro das estruturas naturais da região das pálpebras. A queda da pálpebra superior pode ser corrigida através de uma incisão na prega da pálpebra superior, permitindo o reposicionamento dos depósitos de gordura, a contração dos músculos e dos tecidos, e/ou a remoção do excesso de pele. A pálpebra inferior pode ser corrigida com uma incisão logo abaixo da linha inferior do cílio. Através desta incisão, o excesso de pele nas pálpebras inferiores é removido. Uma incisão transconjuntival, ocultada dentro da pálpebra inferior, é uma técnica alternativa para corrigir imperfeições da pálpebra inferior e redistribuir ou remover o excesso de gordura.

Etapa 3 – Fechando as incisões

Incisões na pálpebra normalmente são fechadas com:

• Suturas removíveis ou absorvíveis;
• Adesivos de pele.

O cirurgião pode usar um peeling químico ou laser para remover a coloração escura das pálpebras inferiores.

Passo 4 – Resultados

Os resultados da cirurgia de pálpebras irão aparecer gradualmente à medida que o inchaço e os hematomas diminuem.

Riscos e informações de segurança 

A decisão de se submeter à cirurgia é pessoal e é você quem terá de decidir se os benefícios atingirão seus objetivos e se os riscos e complicações potenciais da blefaroplastia são aceitáveis. O cirurgião plástico e/ou assistentes irão explicar, em detalhes, os riscos associados à cirurgia. Você deverá assinar o termo de consentimento para assegurar que compreendeu plenamente o procedimento ao qual vai se submeter e quaisquer riscos ou complicações potenciais.

Possíveis riscos da cirurgia 

• Cicatrizes desfavoráveis;
• Visão embaçada ou temporariamente prejudicada;
• Olhos secos;
• Dificuldade de fechar seus olhos;
• Sangramento (hematoma);
• Má cicatrização;
• Infecção;
• Acúmulo de líquido (seroma);
• Dormência e outras alterações na sensibilidade da pele;
• Riscos anestésicos;
• Disfunção na pálpebra envolvendo posição anormal das pálpebras superiores (ptose palpebral), pele solta da pálpebra, ou frouxidão anormal da pálpebra inferior (ectrópio), podendo coexistir com flacidez da testa e das estruturas da sobrancelha; a cirurgia de lift da sobrancelha não corrigirá estas disfunções. Cirurgia adicional pode ser necessária;
• Dor, que pode perdurar;
• Descoloração da pele e inchaço;
• Fios de suturas podem, espontaneamente, emergir na pele, tornam-se visíveis ou produzir irritação que exijam sua remoção;
• Trombose venosa profunda, complicações cardíacas e pulmonares;
• Possibilidade de cirurgia revisional;
• Perda de visão.

Faça perguntas 

É muito importante que você tire todas as suas dúvidas diretamente com o cirurgião plástico sobre o procedimento cirúrgico. É natural que sinta um pouco de ansiedade, seja expectativa com o resultado ou estresse pré-operatório. Não tenha vergonha de discutir estes sentimentos com seu cirurgião plástico.

Informações sobre o uso de colas de fibrina (cola de tecido) 

Cola de fibrina (feita a partir de componentes de sangue humano termoativados para inativar a transmissão de vírus) é usada para manter as camadas de tecido unidas no momento da cirurgia e diminuir os hematomas pós-operatórios. Este produto é cuidadosamente produzido a partir do plasma de doadores de sangue selecionados que não tenham hepatite, sífilis e vírus da imunodeficiência humana (HIV). Estes produtos têm sido utilizados com segurança, por muitos anos, em cirurgia cardiovascular e cirurgia geral, ajudando a diminuir a possibilidade de hemorragia cirúrgica e servindo como aderente às camadas de tecido.

Ao receber alta 

Se você sentir falta de ar, dor no peito ou batimentos cardíacos anormais, procure atendimento médico imediatamente. Se algumas destas complicações ocorrerem, você pode precisar de internação e de tratamento adicional. A prática da medicina e da cirurgia não é uma ciência exata. Apesar de bons resultados serem esperados, não há garantia. Em algumas situações, pode não ser possível atingir ótimos resultados com um único procedimento cirúrgico, sendo necessária uma nova cirurgia.

Seja cuidadoso 

Seguir as recomendações de seu médico é fundamental para o sucesso da cirurgia. É importante que as incisões cirúrgicas não sejam sujeitas à força excessiva, escoriação ou ao movimento durante o período de cicatrização.

Recuperação pós-operatória 

Após o procedimento ser concluído, use pomada lubrificante e faça compressas frias no local. Em alguns casos, os olhos podem ser cobertos com gaze.

Serão dadas instruções especiais, incluindo:

Como cuidar dos seus olhos, medicamentos para aplicar ou tomar por via oral para ajudar na cicatrização e reduzir o risco de infecção, cuidados específicos com o local da cirurgia ou seu estado de saúde, e acompanhamento pós-operatório com o cirurgião plástico. A cicatrização inicial, após a cirurgia, pode apresentar inchaço, irritação, olhos secos ou hematomas e desconforto que podem ser controlados com medicamentos, compressas frias e pomada. Pode, também, haver irritação nos locais das incisões.

Pergunte ao cirurgião plástico sobre a recuperação 

• Onde vou permanecer em recuperação após o término da cirurgia?
• Qual medicação me será dada ou prescrita após a cirurgia?
• Será necessário curativo após a cirurgia? Quando será removido?
• Os pontos serão removidos? Quando?
• Quando poderei retomar minhas atividades normais e exercício físico?
• Quando será a consulta de retorno?

Importante: É preciso que se proteja do sol e use óculos escuros até que o processo de cicatrização seja totalmente finalizado.

Resultados 

Os resultados finais da cirurgia da pálpebra aparecerão dentro de algumas semanas, mas, pode levar até um ano para as linhas de incisão refinarem totalmente. Embora a cirurgia da pálpebra possa corrigir determinadas condições permanentemente, há o envelhecimento natural. Ao longo da vida, é preciso que haja proteção solar adequada para ajudar a manter os resultados.

Qual o custo da cirurgia de pálpebra? 

O custo é sempre uma consideração em cirurgia eletiva. Os honorários de um cirurgião podem variar com base em sua experiência e tipo de procedimento realizado.

O custo pode incluir 

• Honorários do cirurgião;
• Gastos com o hospital ou centro cirúrgico;
• Honorários do anestesista;
• Gastos com medicamentos;
• Exames médicos.

Sua satisfação vale mais que os custos da cirurgia 

Ao escolher um cirurgião plástico para a cirurgia de pálpebras, lembre-se de que a experiência do cirurgião e seu bom relacionamento com ele são tão importantes quanto o custo final da cirurgia.

Glossário 

• Blefaroplastia: Cirurgia das pálpebras para melhorar a aparência das pálpebras superiores, pálpebras inferiores ou ambas.
• Ectrópio: Quando a pálpebra inferior gira para fora após a cirurgia das pálpebras, muitas vezes uma condição temporária.
• Anestesia geral: Drogas e/ou gases utilizados durante a cirurgia para aliviar a dor e diminuir a consciência.
• Hematoma: Acúmulo de sangue abaixo da pele.
• Sedação intravenosa: Sedativos administrados por injeção na veia para ajudar a relaxar.
• Anestesia local: Droga injetada diretamente no local da incisão durante a cirurgia para aliviar a dor.
• Incisão transconjuntival: Incisão feita dentro da pálpebra inferior.
• Refinamento da pele: Tratamento para melhorar a textura e a aparência geral da pele.
• Suturas: Pontos utilizados pelos cirurgiões para manter a pele e o tecido unidos.

Faça perguntas ao cirurgião plástico 

Use esta lista como um guia durante a consulta:

• Você é especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica?
• Você foi treinado especificamente no campo da cirurgia plástica?
• Quantos anos de treinamento em cirurgia plástica você teve?
• A instalação da sala de procedimento em seu consultório é autorizada pela Vigilância Sanitária de sua cidade?
• Sou um bom candidato a este procedimento?
• O que se espera de mim para que os melhores resultados sejam obtidos?
• Onde e como será realizado o procedimento?
• Qual técnica cirúrgica é recomendada para o meu caso?
• Quanto tempo de recuperação posso esperar, e que tipo de ajuda vou precisar durante minha recuperação?
• Quais são os riscos e as complicações associados ao meu procedimento?
• Como são tratadas as complicações?
• Qual será a aparência dos meus olhos ao longo do tempo?
• Quais são minhas opções se estiver insatisfeito com o resultado estético do procedimento?

Lifting Facial

O que é a ritidoplastia? 

Se você estiver incomodado com sinais de envelhecimento em seu rosto, a cirurgia da face pode ser ideal para você. Tecnicamente conhecida como ritidoplastia, a cirurgia da face é um procedimento cirúrgico para melhorar sinais visíveis de envelhecimento no rosto e no pescoço tais como:

• Flacidez no terço médio da face;
• Vincos profundos abaixo das pálpebras inferiores;
• Vincos profundos ao longo do nariz que se estende ao canto da boca;
• Gordura que tenha baixado ou tenha sido deslocada;
• Perda de tônus muscular na face inferior, podendo causar papada;
• Pele frouxa e excesso de depósitos de gordura sob o queixo e a mandíbula.

Procedimentos de rejuvenescimento tipicamente executados juntamente com o lifting de face são o lifting de testa, para corrigir a flacidez ou testa franzida, e cirurgia de pálpebras, para rejuvenescer os olhos.

O que o facelift não faz?

Sendo uma cirurgia reparadora, o facelift não muda sua aparência e não para o processo de envelhecimento.

É indicado para mim? 

facelift só pode ser realizado cirurgicamente. Tratamentos não cirúrgicos de rejuvenescimento não proporcionam os mesmos resultados, mas podem ajudar a retardar o momento em que o facelift torna-se adequado, além de complementar os resultados da cirurgia. A cirurgia da face é um procedimento altamente individualizado e você deve fazê-lo para si mesmo, não para satisfazer os desejos de outra pessoa ou para se adaptar a qualquer tipo de imagem ideal.

O facelift é uma boa opção para você se:

• Você estiver fisicamente saudável;
• Você não fuma;
• Se você tem atitude positiva e expectativa realista do resultado cirúrgico.

O que saber antes de se submeter à cirurgia de facelift? 

O sucesso e a segurança do procedimento dependem muito de sua sinceridade durante a consulta. Você será questionado sobre sua saúde, desejos e estilo de vida.

Esteja preparado para discutir 

• A razão pela qual quer se submeter à cirurgia, suas expectativas e o resultado desejado;
• Condições médicas, alergia medicamentosa e tratamentos médicos;
• Uso atual de medicamento, vitaminas, medicamentos naturais, fumo, álcool e drogas;
• Cirurgias prévias.

O cirurgião também poderá:

Avaliar seu estado geral de saúde e todas as condições pré-existentes de saúde ou fatores de risco;
• Discutir as suas opções e recomendar a mais adequada;
• Examinar e medir o seu rosto;
• Fotografar para prontuário médico;
• Discutir prováveis resultados da cirurgia e quaisquer riscos ou complicações potenciais;
• Discutir o tipo de anestesia a ser realizada.

Preparando-se para a cirurgia 

Previamente à cirurgia, pode ser necessário:

• Fazer exames de laboratório ou avaliação médica;
• Tomar certos medicamentos ou ajustar seus medicamentos atuais;
• Parar de fumar bem antes da cirurgia;
• Evitar tomar aspirina, antiinflamatórios e medicamentos naturais, pois podem aumentar o sangramento.

Instruções especiais.

• O que fazer na noite anterior e na manhã da cirurgia (tempo de jejum, medicamentos, banho);
• O uso de anestesia durante o procedimento;
• Cuidados pós-operatórios.

O procedimento deve ser realizado em local seguro e confortável para o médico e o paciente, em centro cirúrgico autorizado pela Vigilância Sanitária, com equipamentos e equipe treinada para qualquer intercorrência.

Você precisará de ajuda 

Não deixe de pedir a alguém que o acompanhe e fique com você, pelo menos, a primeira noite, após a cirurgia.

Riscos e informações de segurança 

A decisão de se submeter à cirurgia é pessoal e você quem deve decidir se os benefícios atingirão seus objetivos e se os riscos e potenciais complicações são aceitáveis.

Você deverá assinar o termo de consentimento para assegurar que compreendeu plenamente o procedimento ao qual vai se submeter e quaisquer riscos ou complicações potenciais.

Possíveis riscos da cirurgia 

• Cicatrizes desfavoráveis;
• Sangramento (hematoma);
• Acúmulo de líquido (seroma);
• Riscos anestésicos;
• Má cicatrização;
• Necrose da pele;
• Dormência ou demais alterações de sensibilidade da pele;
• Assimetria;
• Despigmentação da pele e/ou inchaço prolongado;
• Perda corrigível de cabelo no local das incisões;
• Necrose do tecido adiposo;
• Danos em estruturas mais profundas tais como nervos, vasos sanguíneos, músculos e pulmões;
• Dor, que pode perdurar;
• Trombose venosa profunda, complicações cardíacas e pulmonares;
• Fios de sutura podem espontaneamente emergir na pele, tornando-se visíveis ou causar irritação que exijam sua remoção;
• Possibilidade de novo procedimento cirúrgico.

Faça perguntas 

É muito importante que você tire todas as suas dúvidas diretamente com o cirurgião plástico sobre o procedimento cirúrgico. É natural que sinta um pouco de ansiedade, seja expectativa com o resultado ou estresse pré-operatório. Não tenha vergonha de discutir estes sentimentos com seu cirurgião plástico.

Informação sobre o uso de cola de fibrina (cola tecido) 

Cola de fibrina (feita a partir de componentes de sangue humano termoativados para inativar a transmissão de vírus) é usada para manter as camadas de tecido unidas no momento da cirurgia e diminuir os hematomas pós-operatórios. Este produto é cuidadosamente produzido a partir do plasma de doadores de sangue selecionados que não tenham hepatite, sífilis e vírus da imunodeficiência humana (HIV). Estes produtos têm sido utilizados com segurança, por muitos anos, em cirurgia cardiovascular e cirurgia geral, ajudando a diminuir a possibilidade de hemorragia cirúrgica e servindo como aderente às camadas de tecido.

Ao receber alta 

Se você sentir falta de ar, dor no peito ou batimentos cardíacos anormais, procure atendimento médico imediatamente. Se algumas destas complicações ocorrerem, você pode precisar de internação e de tratamento adicional. A prática da medicina e da cirurgia não é uma ciência exata. Apesar de bons resultados serem esperados, não há garantia. Em algumas situações, pode não ser possível atingir ótimos resultados com um único procedimento cirúrgico, sendo necessária uma nova cirurgia.

Seja cuidadoso 

Seguir as recomendações de seu médico é fundamental para o sucesso da cirurgia. É importante que as incisões cirúrgicas não sejam sujeitas à força excessiva, inchaço, escoriação ou ao movimento durante o período de cicatrização.

O que acontece durante a cirurgia? 

Procedimento Cirúrgico

Etapa 1 – Anestesia

Medicamentos são administrados para o seu conforto durante o procedimento cirúrgico. As opções incluem sedação intravenosa ou anestesia geral. Seu médico irá recomendar a melhor opção para você.

Vários outros procedimentos podem melhorar, ainda mais, o resultado do facelift, incluindo:
• Implantes faciais;
• Aumento de tecido mole para remodelar a estrutura facial;
• Técnicas de peeling, dermoabrasão ou laser para melhorar a tonalidade e a textura da pele da face;
• Redução de rugas por preenchimento.

Etapa 2 – Incisão

Dependendo do grau de mudança que você quer, as suas opções de cirurgia de ritidoplastia incluem um lifting tradicional, lifting com incisão limitada ou Iifting de pescoço. Uma incisão de lifting tradicional, muitas vezes, começa no couro cabeludo na região temporal, continua em torno da orelha e termina na parte inferior do couro cabeludo. A gordura pode ser esculpida ou redistribuída na face, na papada e no pescoço. O tecido subjacente é reposicionado, comumente nas camadas mais profundas da face, e os músculos são elevados. Uma segunda incisão, abaixo do queixo, pode ser necessária para melhorar o aspecto de envelhecimento no pescoço. Suturas ou adesivos de pele são usados para fechar as incisões.

Facelift tradicional

Uma alternativa ao facelift tradicional utiliza incisões menores na região temporal, continuando em torno da orelha e, possivelmente, dentro das pálpebras inferiores ou sob o lábio superior. Papada, pele flácida no pescoço e acúmulo de gordura sob o queixo podem ser corrigidos com lifting de pescoço. A incisão de lifting de pescoço começa, muitas vezes, na frente do lóbulo da orelha, passando por trás da orelha, terminando na parte inferior do couro cabeludo.

Passo 3 – Fechando as incisões

Uma vez cicatrizada, as linhas de incisão do lifting ficam bem escondidas no couro cabeludo e nos contornos naturais do rosto e do ouvido.

Passo 4 – Resultados

Os resultados do facelift aparecem com a diminuição do inchaço e dos hematomas. O resultado final não só restaura a aparência, deixando-a mais jovem e descansada, mas, também, pode ajudar na recuperação da autoestima.

Recuperação pós-operatória 

Quando o procedimento for finalizado, uma bandagem pode ser colocada delicadamente em torno de seu rosto para minimizar o inchaço e os hematomas. Um dreno pode ser temporariamente colocado sob a pele para drenar qualquer excesso de sangue e de fluido que possam acumular.

Serão dadas instruções especiais, incluindo 

Como cuidar do local da cirurgia, medicamentos para aplicar ou tomar por via oral para ajudar na cicatrização e reduzir o risco de infecção, cuidados específicos com o local da cirurgia e sua saúde geral, e acompanhamento pós-operatório com o cirurgião plástico.

Pergunte ao cirurgião plástico sobre a recuperação 

• Onde vou permanecer em recuperação após o término da cirurgia?
• Qual medicação será dada ou prescrita após a cirurgia?
• Será necessário curativo após a cirurgia? Quando será removido?
• Os pontos serão removidos? Quando?
• Quando poderei retomar minhas atividades normais e exercício físico?
• Quando será a consulta de retorno?

Resultados 

Pode levar vários meses para que o inchaço desapareça e até seis meses para que as linhas de incisão fiquem com aparência normal. Proteção solar permanente ajuda a manter a aparência rejuvenescida, minimizando o envelhecimento ou danos do sol. Além disso, um estilo de vida saudável também ajuda a prolongar os resultados obtidos com a cirurgia, dando-lhe aparência rejuvenescida e jovem.

Qual o custo da cirurgia? 

O custo é sempre uma consideração em cirurgia eletiva. Os honorários de um cirurgião podem variar com base em sua experiência e tipo de procedimento realizado.

O custo pode incluir 

• Honorários do cirurgião;
• Gastos com hospital ou centro cirúrgico;
• Honorários do anestesista;
• Gastos com medicamentos;
• Malhas pós-operatórias;
• Exames médicos.

Sua satisfação vale mais que os custos da cirurgia 

Ao escolher um cirurgião plástico para realizar este procedimento, lembre-se de que a experiência do cirurgião e seu bom relacionamento com ele são tão importantes quanto o custo final da cirurgia.

Glossário 

• Anestesia geral: Drogas e/ou gases utilizados durante a cirurgia para aliviar a dor e diminuir a consciência.
• Hematoma: Acúmulo de sangue abaixo da pele.
• Sedação intravenosa: Sedativos administrados por injeção na veia para ajudar a relaxar.
• Dobra nasolabial: Rugas profundas entre o nariz e a bochecha
• Anestesia local: Droga injetada diretamente no local da incisão durante a cirurgia para aliviar a dor.
• Ritidoplastia: Procedimento cirúrgico, também conhecido como lifting, para reduzir a flacidez da face, papada e pescoço.

Faça perguntas ao cirurgião plástico 

Use esta lista como um guia durante a consulta:

• Você é especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica?
• Você foi treinado especificamente no campo da cirurgia plástica?
• Quantos anos de treinamento em cirurgia plástica você teve?
• A instalação da sala de procedimento em seu consultório é autorizada pela Vigilância Sanitária de sua cidade?
• Sou um bom candidato a este procedimento?
• O que se espera de mim para que os melhores resultados sejam obtidos?
• Onde e como será realizado o procedimento?
• Qual técnica cirúrgica é recomendada para o meu caso?
• Quanto tempo de recuperação posso esperar, e que tipo de ajuda vou precisar durante minha recuperação?
• Quais são os riscos e as complicações associados ao meu procedimento?
• Como são tratadas as complicações?

Lifting de Sobrancelhas

A cirurgia 

Consiste na elevação/reposicionamento dos supercílios, podendo ser realizada por diversas técnicas, que diferem nas vias de acesso (local, através das pálpebras, couro cabeludo, com auxílio de vídeo-endoscopia) e objetivos.

O que a cirurgia não vai fazer? 

Não existe cirurgia sem cicatriz(es). O que existe é a cirurgia bem planejada, com cicatriz(es) final(is) bem posicionada(s), camuflada(s) quando possível em relevos naturais da pele, atingindo resultados pouco perceptíveis.

A cirurgia não anulará os efeitos da gravidade ou o processo de envelhecimento natural, ao longo dos anos, que levam à frouxidão e consequente descenso gradativo dos tecidos.

A cirurgia é indicada para mim? 

Após a devida avaliação por Cirurgião Plástico qualificado, as melhores opções serão discutidas com o paciente, e podem ir de tratamentos não-cirúrgicos (toxina botulínica, por exemplo), até a cirurgia propriamente dita.

Nos casos de tratamento cirúrgico, há ainda diversas possibilidades de planejamento, cada uma com suas características, que deverão ser bem esclarecidas.

Quando operar? 

A programação da cirurgia varia dependendo do grau de ptose dos supercílios, não existindo faixa etária padrão para a indicação do procedimento.

O que esperar da consulta? Esteja preparado para discutir.

O cirurgião plástico necessitará saber informações básicas acerca da saúde geral do paciente (história da cicatrização em geral, história de doenças, medicações, vitaminas ou quaisquer outras substâncias de que faça uso – álcool, cigarro, drogas ilícitas; possíveis alergias, cirurgias prévias, história familiar, etc.), bem como sobre suas expectativas e anseios em relação ao procedimento proposto.

Informe seu médico sobre seus problemas de saúde.

Seja sincero e não omita informações, mesmo que pareçam bobas. Os mínimos detalhes podem fazer a diferença no resultado final.

Escolha um cirurgião plástico qualificado.

Todo cirurgião plástico devidamente qualificado cursou no mínimo:
• 06 (seis) anos de graduação em Medicina;
• 02 (dois) anos de especialização em Cirurgia Geral;
• 03 (três) anos de especialização em Cirurgia Plástica (em Serviço credenciado pela SBCP).

Ao final deste longo período de formação, faz-se necessária ainda uma avaliação final, englobando análise curricular, prova escrita e prova oral, para que o cirurgião possa enfim receber o Título de Especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Todos os membros da SBCP podem ser encontrados na listagem disponibilizada no site. Informe-se sobre o seu cirurgião.

Onde será realizada a cirurgia? 

O procedimento deverá ser realizado em ambiente autorizado pela Vigilância Sanitária, confortável para paciente e equipe médica, podendo variar de estrutura conforme o grau de complexidade da cirurgia planejada.

O que saber antes de se submeter à cirurgia? 

• Recomendações pré-operatórias (tempo de jejum, medicamentos ou quaisquer outras substâncias que deverá suspender e com que antecedência, cuidados com o local da cirurgia);
• Tipo de anestesia e tempo de internação programados;
• Necessidade de ajuda no momento da liberação para casa;
• Tempo de repouso;
• Cuidados com a ferida operatória;
• Medicações que serão necessárias;
• Possíveis intercorrências/complicações.

Riscos da cirurgia e informações de segurança.

Todo e qualquer procedimento cirúrgico envolve riscos. Estes serão minimizados pela correta avaliação pré-operatória, planejamento cirúrgico e cuidados pós-operatórios adequados. Entre as possíveis intercorrências/complicações, podemos citar:

• Sangramento/hematoma (acúmulo de sangue internamente);
• Infecção;
• Cicatrização ruim (hipertrofia, queloide, retrações, alterações de cor);
• Alterações de sensibilidade;
• Assimetrias;
• Reação aos produtos utilizados (fios de sutura, fitas, soluções injetáveis);
• Complicações inerentes ao ato anestésico;
• Necessidade de novo procedimento cirúrgico.

Informações sobre cicatrizes e linhas profundas 

A cicatrização é um processo complexo e cheio de peculiaridades dependentes da natureza de cada um. Apesar de todos os cuidados competentes ao cirurgião, algumas vezes os resultados finais obtidos ficam abaixo do esperado. Converse com seu cirurgião e esclareça dúvidas, evitando frustrações e buscando possíveis alternativas para os resultados insatisfatórios.

Etapas do procedimento 

Anestesia:

Poderá ser local, regional, com ou sem sedação e até mesmo geral, na dependência do procedimento proposto e do risco cirúrgico do paciente. Cirurgião, anestesista e paciente deverão conversar e definir a opção mais confortável e segura para todos.

Cirurgia:

O planejamento do ato cirúrgico varia na dependência da técnica pretendida. O tratamento da região frontal e supercílios pode ser realizado por incisões que fiquem escondidas no couro cabeludo (com ou sem o auxílio de vídeo-endoscopia), rentes à linha de implantação dos cabelos, camufladas em sulcos já existentes na região frontal, utilizando o acesso palpebral superior, rentes ao supercílio.

O tratamento completo poderá incluir ressecções/reposicionamentos musculares e de pele, fixações com fios (absorvíveis ou inabsorvíveis), parafusos cirúrgicos e/ou outros dispositivos. Diferentes tipos de trações teciduais podem ser realizadas com o intuito de suavizar rugas frontais/glabelares ou reposicionar supercílios.

O fechamento das incisões pode ser realizado com fios (absorvíveis ou inabsorvíveis), grampos e complementado com cola ou fitas cirúrgicas. Drenos poderão ser ou não utilizados.

Recuperação pós-anestésica:

Após o ato operatório, o paciente continuará sob efeito de algumas das medicações realizadas durante a cirurgia, sendo o tempo de recuperação variável dependendo do tipo de anestesia. São feitos analgésicos, que, se preciso, continuarão sendo utilizados pelo paciente em caráter domiciliar, para maior conforto e controle da dor.

O tempo de internação varia na dependência da cirurgia realizada. No momento da liberação, o paciente deverá receber todas as devidas prescrições e orientações com relação aos cuidados domiciliares e data prevista de retorno para reavaliação.

Recuperação pós-operatória:

Após a cirurgia, o local operado ficará sensível, dolorido, avermelhado. Poderá ocorrer eliminação de pequeno volume de líquido pela ferida ou formação de crostas (“casquinhas”), sensação de “repuxar”, dormência e algum inchaço.

Siga as orientações do seu cirurgião: evite atividades físicas que forcem o local operado, realize as trocas de curativo conforme as recomendações, faça uso das medicações prescritas corretamente, proteja a cicatriz do sol pelo tempo determinado, etc.

Um resultado final de boa qualidade é resultado de adequada técnica cirúrgica, fatores orgânicos próprios de cada paciente e devido manejo pós-operatório.

Você precisará de ajuda.

Converse com seu cirurgião. Dependendo do tipo de cirurgia e anestesia planejados, pode ser importante que alguém lhe acompanhe, pelo menos nas primeiras horas após o procedimento.

Resultados:

A longo prazo:

Toda cirurgia acarreta cicatriz(es). Dentro do possível, respeitando as características e necessidades do tratamento, as cicatrizes são planejadas de maneira a ficarem em posições que diminuam a tensão sobre seus bordos, facilitando a cicatrização, e/ou camufladas em relevos existentes na pele.

A cicatrização é um processo complexo e cheio de peculiaridades dependentes da natureza de cada um. Alterações mais (fase inicial) ou menos (mais tardiamente) aparentes continuam a ocorrer mesmo após meses da realização do procedimento. Uma cicatriz final de boa qualidade é resultado de adequada técnica cirúrgica, fatores orgânicos próprios de cada paciente e devido manejo pós-operatório.

A retirada de suturas/grampos de pele será completada por volta de 10-14 dias da operação. Geralmente, após essa fase inicial, o paciente encontra-se em condições de retornar às suas atividades diárias de rotina, com pequenas restrições.

O inchaço poderá demorar várias semanas para desaparecer por completo, bem como algumas equimoses (manchas roxas). Nesse período, produtos cosméticos/protetor solar poderão ser utilizados, mascarando feridas e protegendo áreas ainda sensíveis à radiação UV.

Hábitos saudáveis e uso regular de filtro solar são fundamentais para a preservação dos resultados e manutenção de uma aparência mais jovem.

O custo pode incluir:

• Honorários do cirurgião;
• Equipe cirúrgica (médico anestesista, cirurgião(ões) assistente(s), instrumentação);
• Internação em hospital/clínica;
• Materiais extras e/ou medicamentos;
• Enfermagem particular;
• Tratamento complementar pós-operatório.

Sua satisfação vale mais que os custos da cirurgia.

Lembre-se que sua saúde está em jogo. O resultado do procedimento, bom ou ruim, lhe acompanhará pelo resto da vida. Procure um cirurgião devidamente qualificado e exija que sua cirurgia seja realizada em acomodações seguras. No final das contas, o barato pode sair caro.

Cirurgia de Queixo

O que é a cirurgia do queixo?

Também conhecida como mentoplastia, é um procedimento cirúrgico para remodelar o queixo utilizando-se implantes (aumento) ou o próprio osso, por intermédio de fraturas que podem avançar ou recuar o mento. Muitas vezes, o cirurgião plástico pode recomendar a cirurgia do queixo juntamente com a cirurgia do nariz, de modo a atingir proporções faciais equilibradas − isto porque o tamanho do queixo pode aumentar ou diminuir o tamanho percebido do nariz. Esta cirurgia ajuda a proporcionar equilíbrio harmonioso de suas características faciais para que se sinta melhor com a sua aparência.

Reparação da fissura de lábio e de palato lifting.

Desenvolvimento anormal.

A reparação do lábio leporino e da fenda palatina é um tipo de cirurgia plástica para corrigir o desenvolvimento anormal, visando restaurar a função e deixar a aparência mais próxima do normal.

Lábio leporino e fenda palatina estão entre as malformações congênitas mais comuns que afetam as crianças. A formação incompleta do lábio superior (fissura) ou do teto da boca (palato) pode ocorrer individualmente ou em conjunto. As condições podem variar em termos de gravidade, podendo incluir um ou ambos os lados da face.
A fenda, ou separação do lábio superior e/ou o céu da boca, ocorre muito precocemente no desenvolvimento do feto. Durante o desenvolvimento fetal, alguns componentes do lábio superior e do céu da boca não se formam normalmente. A maioria das fendas pode ser reparada através de técnicas especializadas de cirurgia plástica, melhorando a capacidade da criança de comer, falar, ouvir e respirar.

Uma equipe de especialistas pode ajudar.

Intervenção precoce por uma equipe de especialistas é essencial em fissura de lábio e/ou reparação da fenda palatina. A equipe pode trabalhar em conjunto para definir o planejamento do tratamento, incluindo o procedimento cirúrgico, a reabilitação fonoaudiológica e a restauração dental. Estas equipes são multiprofissionais e geralmente contam com:

• Cirurgião plástico;
• Pediatra;
• Odontopediatra;
• Otorrinolaringologista;
• Fonoaudiólogo;
• Consultor Genético;
• Assistente Social.

Mais que uma cirurgia estética.

Cirurgia para reparar uma fissura de qualquer tipo é um procedimento individualizado que tem o propósito de, não só tratar a imperfeição, mas, também, de garantir que as estruturas orais tenham função e se desenvolvam normalmente. Reparação do lábio leporino, também chamada de queiloplastia, inclui a reconstrução de um aspecto mais normal, ou seja:

• O fechamento da fenda resulta numa cicatriz localizada na estrutura normal do lábio superior;
• Formação de um arco do cupido (a curva no centro do lábio superior);
• Considerações sobre a distância adequada entre o lábio superior e o nariz.

Devido ao palato criar o assoalho da cavidade nasal, considerações sobre a reparação da fenda palatina englobam:
• Desenvolvimento, função, crescimento e fala normais;
• Melhor relação do palato com o canal auditivo e a audição;
• Desenvolvimento dos dentes e da mandíbula de forma alinhada.

Onde a fenda também afeta a forma do nariz, procedimentos adicionais podem ser recomendados para:
• Atingir a simetria entre as narinas;
• Criar comprimento adequado da columela (tecido que separa as narinas);
• Aumentar o ângulo da ponta do nariz, para evitar uma ponta nasal achatada ou caída.

Quando operar? 

A hora de operar dependerá das circunstâncias individuais da criança. A reparação do lábio leporino é realizada quando a criança tem, pelo menos, 10 semanas de idade, 4,5kg de peso e hemoglobina (ou contagem de sangue) de pelo menos 10. Reparos da fenda palatina, geralmente, são feitos quando a criança é um pouco mais velha, de 9 a 18 meses de idade. A reparação da fissura pode ser postergada de forma a tratar outras patologias que podem pôr em risco a vida, tais como patologias cardíacas ou pulmonares.

O que saber antes de se submeter à cirurgia?

O sucesso e a segurança do procedimento começam na consulta com o cirurgião plástico e dependem muito da sua sinceridade.

Esteja preparado para discutir. 

• Opções disponíveis para fissura de lábio e/ou reparo da fenda palatina;
• Prováveis resultados da cirurgia, riscos potenciais e complicações associadas ao procedimento;
• O planejamento do tratamento.

Seja sincero sobre suas preocupações. O sucesso e a segurança do procedimento requerem que você:
• Compartilhe suas preocupações;
• Descreva o histórico de saúde da criança de forma rigorosa, incluindo os medicamentos atuais, vitaminas e medicações naturais;
• Comprometa-se em seguir precisamente todas as orientações do cirurgião plástico.

Riscos e informações de segurança:

• Opções disponíveis para fissura de lábio e/ou reparo da fenda palatina;
• Prováveis resultados da cirurgia, riscos potenciais e complicações associadas ao procedimento;
• O planejamento do tratamento.

A decisão de submeter-se à cirurgia é pessoal e o cirurgião plástico irá lhe explicar os benefícios, metas e riscos potenciais ou complicações. O cirurgião plástico e/ou assistentes irão lhe explicar, em detalhes, os riscos associados à cirurgia. Você deverá assinar o termo de consentimento para assegurar que compreendeu plenamente o procedimento, as alternativas e os riscos mais prováveis ou potenciais complicações.

Possíveis riscos da cirurgia.

• Sangramento (hematoma);
• Infecção;
• Má cicatrização das incisões;
• Cicatrização irregular dos tecidos, incluindo contratura;
• Irregularidades residuais e assimetrias;
• Riscos anestésicos;
• Alergias à fita, sutura, materiais, colas, produtos derivados do sangue, medicações tópicas ou injetáveis;
• Danos em estruturas mais profundas tais como nervos, vasos sanguíneos, músculos e pulmões, podendo ser de forma temporária ou permanente;
• Possibilidade de novo procedimento cirúrgico (retoque).

Faça perguntas.

É natural que sinta um pouco de ansiedade, seja expectativa com os resultados esperados para a criança ou estresse pré-operatório. Discuta estes sentimentos com o cirurgião plástico.

Preparando-se para a cirurgia.

Previamente à cirurgia, o cirurgião plástico irá discutir com você:
• Considerações pré-cirúrgicas, exames diagnósticos e medicamentos;
• Instruções para o dia da cirurgia (tempo de jejum, medicações, banho);
• Informações específicas relacionadas à anestesia;
• Cuidados pós-operatórios e de acompanhamento.

O cirurgião plástico irá discutir, também, onde o procedimento da criança vai ser realizado. Geralmente, é realizado em ambiente hospitalar.

Previamente à cirurgia: Em alguns casos, a criança pode receber um dispositivo intraoral para usar antes do reparo do lábio leporino, tendo por objetivo ajudar na alimentação e manter o arco do lábio antes da cirurgia.

Etapas do procedimento.

Etapa 1 – Anestesia.

Medicamentos são administrados para o conforto da criança durante os procedimentos cirúrgicos. As opções incluem sedação intravenosa e anestesia geral. Seu médico irá recomendar a melhor opção para a criança.

Etapa 2 – Incisão.

O objetivo da cirurgia de fissura é fechar o defeito do lábio e fornecer estrutura, função e aparência do lábio superior mais normal. As incisões são feitas em ambos os lados da fenda para criar os retalhos de tecido que são desenhados e unidos para fechar a fenda. A reparação de uma fissura de palato exige cuidadoso reposicionamento dos tecidos e músculos para fechar a fenda e reconstruir o céu da boca. As incisões são feitas de ambos os lados da fenda, os retalhos são usados para reposicionar o músculo e os componentes duros e moles do palato. A reparação é, então, suturada, geralmente na linha média do céu da boca, proporcionando comprimento suficiente do palato para permitir a alimentação normal, desenvolvimento da fala e crescimento contínuo ao longo da vida.

Etapa 3 – Fechando as incisões.

As incisões de fissura de lábio e palato podem ser fechadas com suturas removíveis ou absorvíveis.

Observação: É importante entender que, enquanto a fenda pode ser reparada cirurgicamente em um procedimento de cirurgia plástica simples, o tratamento de uma criança que nasceu com fissura continua pela adolescência e, por vezes, até mesmo na idade adulta. À medida que a criança cresce, novos procedimentos para melhorar a função e a aparência podem ser necessários.

Etapa 4 – Resultados.

As cicatrizes resultantes são geralmente posicionadas nos contornos normais do lábio superior e do nariz. Com o tempo, tendem a ficar mais discretas.

Recuperação e resultados.

Após a cirurgia, curativos ou bandagens podem ser colocados em incisões fora da boca da criança.

Você receberá instruções específicas, podendo incluir:

Como cuidar do local da cirurgia após o procedimento, medicamentos para tomar por via oral para ajudar a reduzir o risco de infecção, preocupações específicas com a saúde geral da criança, e quando será a consulta de retorno.

O cirurgião plástico ou os assistentes irão instrui-lo sobre a alimentação da criança, bem como quaisquer restrições ou instruções de atividades especiais.
Não se surpreenda se limitações forem colocadas no braço da criança durante a recuperação. Tais limitações irão impedi-lo de ferir o local da cirurgia. As limitações podem ser removidas várias vezes durante o dia, desde que a criança seja supervisionado e impedido de tocar no local da cirurgia ou chupar o polegar.
A inquietação da criança pode ser controlada com medicação para dor. Se necessário, as suturas serão removidas após a cirurgia. A cicatrização continuará ao longo de várias semanas e o inchaço diminuirá. Após a cirurgia, a proteção contra o sol é essencial para evitar a formação de cicatrizes irregulares.

Resultados e perspectivas.

O resultado fará grande diferença na qualidade de vida, na capacidade de respirar, comer e falar. No entanto, procedimentos secundários podem ser necessários por razões funcionais ou de aperfeiçoamento. Mesmo que as cicatrizes de reparo do lábio leporino sejam geralmente localizadas dentro dos contornos normais do rosto, será sempre visível.

Qual o custo da cirurgia? 

O custo é sempre uma consideração em cirurgia. Os honorários de um cirurgião podem variar com base em sua experiência e tipo de procedimento realizado.

O custo pode incluir 

• Honorário do cirurgião;
• Custos hospitalares e de centro cirúrgico;
• Honorários do anestesista;
• Medicamentos prescritos;
• Exames médicos.

Sua satisfação vale mais que os custos da cirurgia.

Ao escolher um cirurgião plástico, lembre-se de que a experiência do cirurgião e seu relacionamento com ele são tão importantes quanto o custo final da cirurgia.

Glossário 

• Canal auditivo: Passagem do ouvido.
• Queiloplastia: Cirurgia de reparação de fissura labial.
• Lábio leporino: Formação incompleta do lábio superior.
• Fenda palatina: Formação incompleta do céu da boca.
• Fissura: A separação do lábio superior e/ou céu da boca.
• Columela: Tecido que separa as narinas.
• Contratura: Cicatriz que traciona tecidos vizinhos, potencial complicação da cirurgia palatina.
• Anestesia geral: Drogas e/ou gases utilizados durante a cirurgia para aliviar a dor e diminuir a consciência.
• Hemoglobina: Contagem de células sanguíneas no hemograma.
• Sedação intravenosa: Sedativos administrados por injeção na veia para ajudar a relaxar.
• Obturador: Dispositivo intrabucal que a criança pode usar antes do reparo do lábio leporino, ajudando na alimentação e mantendo o arco do lábio antes da cirurgia.

Perguntas a fazer ao cirurgião plástico:

Use esta lista como um guia durante a sua consulta.

• Você é especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica?
• Você foi treinado especificamente no campo da cirurgia plástica?
• Quantos procedimentos deste tipo já realizou?
• A criança é um bom candidato a este procedimento?
• O que se espera para que sejam obtidos os melhores resultados?
• Onde e como o procedimento será realizado?
• Qual a forma, o tamanho e o local da incisão recomendados à criança?
• Quanto tempo de recuperação podemos esperar, e que tipo de ajuda a criança vai precisar durante a recuperação?
• Quais são os riscos e complicações associados a este procedimento?
• Como são tratadas as complicações?

Cirurgia de Orelha

Beleza para a vida.

Melhorando a sua aparência com a cirurgia da orelha.

Se orelhas salientes ou desfiguradas incomodam você ou seu filho, pode-se considerar a cirurgia plástica. Cirurgia da orelha – também conhecida como otoplastia – pode melhorar a forma, a posição ou as proporções das orelhas. A cirurgia corrige um defeito na estrutura das orelhas presente desde o nascimento, que se torna aparente com o desenvolvimento, ou trata orelhas deformadas causadas por lesão. A otoplastia cria uma forma natural, dando equilíbrio e proporção às orelhas e à face. Correção de deformidades menores pode beneficiar a aparência e a autoestima.

A otoplastia trata especificamente: 

A otoplastia é um procedimento altamente individualizado e você deve fazê-lo para si mesmo, não para satisfazer os desejos de outra pessoa ou para se adaptar a qualquer tipo de imagem ideal.

Crianças boas candidatas à otoplastia são: 

• Crianças saudáveis, sem doença com risco de vida ou com infecções crônicas não tratadas de ouvido,
• Geralmente, crianças com cinco anos de idade, ou quando a cartilagem da orelha já é estável o suficiente para a correção,
• Crianças cooperativas e que sigam as recomendações médicas,
• Crianças capazes de expressar o que sentem e não manifestam objeções durante a discussão da cirurgia.

Adolescentes e adultos bons candidatos à otoplastia são:

• Indivíduos saudáveis que não tenham doença com risco de vida ou condições médicas que possam prejudicar a cicatrização;
• Não fumantes;
• Indivíduos com visão positiva e metas específicas dos resultados.

O que esperar da consulta?

O sucesso e a segurança do procedimento dependem muito de sua sinceridade durante a sua consulta. Você será questionado sobre sua saúde, desejos e estilo de vida.

Esteja preparado para discutir.

• A razão pela qual quer fazer a cirurgia, suas expectativas e o resultado desejado;
• As condições médicas, alergia medicamentosa e tratamentos médicos;
• Uso atual de medicamentos, vitaminas, medicamentos naturais, fumo, álcool e drogas;
• Cirurgias prévias.

O cirurgião também poderá: 

• Avaliar o seu estado geral de saúde e todas as condições pré-existentes de saúde ou fatores de risco;
• Tirar fotos para seu prontuário médico;
• Discutir as suas opções e recomendar um tratamento;
• Discutir prováveis resultados da cirurgia e quaisquer riscos ou complicações potenciais.

Preparando-se para a cirurgia.

Previamente à cirurgia, pode ser necessário:

• Fazer exames de laboratório ou avaliação médica;
• Tomar certos medicamentos ou ajustar seus medicamentos atuais;
• Parar de fumar bem antes da cirurgia;
• Evitar tomar aspirina e alguns anti-inflamatórios e medicamentos naturais, pois podem aumentar o sangramento.

Instruções especiais.

• O que fazer no dia da cirurgia;
• O uso de anestesia durante o procedimento;
• Cuidados pós-operatórios.

O cirurgião plástico irá também discutir onde o procedimento será realizado.

Você precisará de ajuda. 

Não deixe de pedir a alguém que o acompanhe e que fique com você, pelo menos, a primeira noite, após a cirurgia.

Riscos e informações de segurança. 

A decisão de se submeter à otoplastia é pessoal e é você quem deve decidir se os benefícios atingirão seus objetivos e se os riscos e potenciais complicações são aceitáveis. O cirurgião plástico e/ou assistentes irão lhe explicar, em detalhes, os riscos associados à cirurgia. Você deverá assinar o termo de consentimento para assegurar que compreendeu plenamente o procedimento ao qual vai se submeter e quaisquer riscos ou complicações.

Os riscos incluem:

• Sangramento (hematoma);
• Assimetria;
• Infecção;
• Má cicatrização;
• Alteração na sensibilidade da pele;
• Contornos irregularidades na pele;
• Descoloração da pele/inchaço;
• Riscos da anestesia;
• Cicatrizes;
• Alergias à fita, material de sutura, colas, produtos derivados do sangue, preparos tópicos ou agentes injetados;
• Dor, que pode perdurar;
• Possibilidade de novo procedimento cirúrgico.

Faça perguntas. 

É muito importante fazer perguntas ao cirurgião sobre o procedimento. É natural que sinta um pouco de ansiedade, seja expectativa com a nova aparência ou estresse pré-operatório. Não tenha vergonha de discutir estes sentimentos com o cirurgião plástico.

Onde a cirurgia será realizada? 

O procedimento deve ser realizado em local seguro e confortável para o médico e o paciente, em centro cirúrgico autorizado pela Vigilância Sanitária, com equipamentos e equipe treinada para qualquer intercorrência.

Após a cirurgia, bandagens ou curativos serão aplicados sobre o local cirúrgico para mantê-lo limpo, protegê-lo de trauma e sustentar a nova posição da orelha durante a cicatrização inicial.

Você receberá instruções específicas, que podem incluir:

Como cuidar de suas orelhas após a cirurgia, os medicamentos que têm de aplicar ou tomar por via oral para ajudar na cicatrização e reduzir o risco de infecção, e acompanhamento pós-operatório com o cirurgião plástico.

Ao receber alta.

Se você sentir falta de ar, dor no peito ou batimentos cardíacos anormais, procure atendimento médico imediatamente. Se algumas destas complicações ocorrerem, você pode precisar de internação e de tratamento adicional.

A prática da medicina e da cirurgia não é uma ciência exata. Apesar de serem esperados bons resultados, não há garantia. Em algumas situações, pode não ser possível atingir ótimos resultados com um único procedimento cirúrgico, sendo necessária uma nova cirurgia.

Seja cuidadoso.

Seguir as recomendações de seu médico é fundamental para o sucesso da cirurgia. É importante que as incisões cirúrgicas não estejam sujeitas à força excessiva, à escoriação, ou ao movimento durante o tempo de cicatrização.

O que acontece durante a cirurgia? 

Etapa 1 – Anestesia.

Medicamentos são administrados para o seu conforto durante o procedimento cirúrgico. As opções incluem sedação local e intravenosa ou anestesia geral. Seu médico irá recomendar a melhor opção para você.

Etapa 2 – A incisão.

A correção de orelhas em abano usa técnicas cirúrgicas para criar ou aumentar o anti-hélice (apenas dentro da borda da orelha) e para reduzir a cartilagem da concha (a concavidade maior e mais profunda do ouvido externo). As incisões para otoplastia são geralmente feitas atrás da orelha. Quando incisões são necessárias na parte da frente da orelha, as mesmas são feitas nas suas dobras para escondê-las. Internamente, sutura não removível é usada para criar e fixar a cartilagem recém moldada.

Passo 3 – Fechando as incisões.

Pontos externos fecham as incisões. As técnicas são individualizadas, tomando cuidado para não deformar as demais estruturas.

Etapa 4 – Resultados.

A otoplastia oferece resultados quase imediatos em casos de orelhas em abano, tão logo os curativos que sustentam o novo formato da orelha sejam removidos. Com a orelha permanentemente posicionada próxima à cabeça, as cicatrizes cirúrgicas são escondidas atrás da orelha ou em suas dobras naturais. Resultados de cirurgia e reconstrução mais extensas da orelha podem aparecer ao longo do tempo.

Recuperação 

É normal haver desconforto logo após a cirurgia, sendo o mesmo controlado com medicação para dor. Pode haver sensação de coceira sob as ataduras. É importante que as mesmas permaneçam intactas e não sejam removidas de modo algum. Se esta recomendação não for seguida, pode resultar na perda de parte da correção, sendo necessária nova cirurgia.

Pergunte ao cirurgião plástico sobre a recuperação. 

• Onde vou permanecer em recuperação após o término da cirurgia?
• Qual medicação será dada ou prescrita após a cirurgia?
• Será necessário curativo após a cirurgia? Quando será removido?
• Os pontos serão removidos? Quando?
• Quando poderei retomar minhas atividades normais e exercício físico?
• Quando será a consulta de retorno?

Qual o custo da cirurgia? 

O custo é sempre uma consideração em cirurgia eletiva. Os honorários de um cirurgião podem variar de acordo com a sua experiência e o tipo de procedimento realizado.

O custo pode incluir: 

• Honorários do cirurgião;
• Gastos com hospital ou centro cirúrgico;
• Honorários do anestesista;
• Exames médicos.

Sua satisfação vale mais que os custos. 

Ao escolher um cirurgião plástico para a cirurgia, lembre-se de que a experiência do cirurgião e seu bom relacionamento com ele são tão importantes quanto o custo final da cirurgia.

Glossário:

• Anti-hélice: Dobra no interior da borda da orelha.
• Concha: A concavidade maior e mais profunda do ouvido externo.
• Orelha constrita: Apresenta diferentes graus de protrusão, circunferência e dobras reduzidas, e baixo posicionamento da orelha.
• Criptotia: Também chamada orelha escondida, ocorre quando o bordo superior da orelha fica por baixo de uma dobra do couro cabeludo, secundária à dobra anormal da cartilagem da parte superior da orelha, em direção à cabeça. A dobra é inversa a comumente vista em orelhas em abano.
• Eixo da orelha: A principal linha de crescimento da orelha.
• Anestesia geral: Drogas e/ou gases utilizados durante a cirurgia para aliviar a dor e diminuir a consciência.
• Sedação intravenosa: Sedativos administrados por injeção na veia para ajudar a relaxar.
• Macrotia: Orelhas excessivamente grandes, uma condição rara.
• Microtia: A deformidade congênita mais complexa da orelha, quando o ouvido externo se parece com uma estrutura rudimentar, ou tem partes mais parecidas com a concha e o tragus ou demais características de orelhas normais. Pode, ou não, estar faltando o canal auditivo. A audição é prejudicada em diferentes níveis.
• Otoplastia: Procedimento cirúrgico, também conhecido como cirurgia da orelha, para melhorar a forma, a posição ou a proporção da orelha.

Perguntas a fazer ao cirurgião plástico.

Use esta lista como um guia durante a consulta:

• Você é especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica?
• Você foi treinado especificamente no campo da cirurgia plástica?
• A instalação do centro cirúrgico em seu consultório é autorizada pela Vigilância Sanitária?
• Quantos procedimentos deste tipo já realizou?
• Sou um bom candidato a este procedimento?
• O que se espera de mim para que os melhores resultados sejam obtidos?
• Onde e como o procedimento será realizado?
• Qual o tempo de recuperação e que tipo de ajuda vou precisar durante minha recuperação?
• Quais são os riscos e as complicações associados a este procedimento?
• Como são tratadas as complicações?

© Sorrentino / 2017 / Todos os Direitos Reservados.